Dançar a vida – Sinto, logo escrevo

Eu não vou fazer um texto técnico para falar o que é biodanza. Definitivamente a biodanza não se explica, ela se experimenta. E dependendo de como você se permite experimentar, você irá sentir.

E é sobre o meu sentir na biodanza que eu quero falar, mas antes vou falar como descobri a existência da biodanza.

Ja tem uns três anos que ouvi falar a primeira vez em biodanza. Foi quando eu morava em Joinville, através de uma amiga, que me convidou para ir a um encontro, que nunca foi possível eu ir, devido meu horário de trabalho. Apesar disso, a curiosidade sempre existiu, pois minha amiga falava que na biodanza ela se sentia conectada com ela mesma e com o seu grupo. Lá ela dava e recebia muito amor e compreensão, e mesmo que não quisesse falar nada, o grupo a acolhia da forma que ela quisesse se expressar. Além disso a minha amiga tem o melhor abraço do mundo! E eu não estou exagerando, foi com ela que eu passei a perceber a minha pobreza em abraçar. Sabe aqueles abraços de um segundo? Então, não dou mais! Se é para abraçar, que seja bem gostoso e demorado! Pelo menos uns 30 segundos (mas não precisa cronometrar o tempo rsrs). Mas voltando ao abraço da minha amiga, ela me contou que na biodanza ela aprendeu a abraçar desta forma. Só por isso eu já desejava ir a um encontro de biodanza, me imaginava recebendo vários abraços gostosos.

E enfim, voltando a morar em Santos, estava dando uma olhada no Instagram, quando vi uma página de biodanza em Santos. Eu acredito muito que o universo manda sinais daquilo que precisamos, e encarei desta forma aquele perfil do Instagram aparecer bem naquele momento para mim.

Fui no meu primeiro encontro de biodanza em uma quinta-feira à noite. Cheguei la e o grupo já estava sentado nas almofadas no chão. Fui recebida com muitos sorrisos e elogios ao meu vestido (amo que curtam as minhas roupas rsrs). Me senti super a vontade de cara. Preciso falar que amo grupos onde podemos falar como nos sentimos, e ali eu pude falar um pouquinho de como estava chegando e o que estava buscando na biodanza. Foi bem gostoso ouvir as pessoas também. Depois desta conversa, fomos para a roda dançar e eu nunca vou esquecer esse primeiro momento, onde demos as mãos e dançamos a primeira música “What a Wonderful World”. Tem música mais perfeita para começar uma vivência?

Eu não vou falar tudo que aconteceu, pois cada experiência é única, mas eu quero falar que dançar, me expressar através do meu corpo, do meu olhar, do meu toque, e também receber tudo isso das pessoas que estavam lá, renovou minha energia.

Depois do encontro de biodanza, eu passei a semana lembrando de algumas danças, de algumas vivências, como falamos na biodanza, e no dia a dia eu fui me sentindo mais fluída, como se aquela vivência tivesse me dado recursos para lidar com algumas situações do meu dia a dia que antes eu não lidava tão bem.

Eu estou no começo, fui apenas em 3 encontros, mas percebo que no dia que tem biodanza, eu acordo mais animada, pois sei que lá terei um momento só para mim, onde poderei dançar com os pés no chão, também poderei encontrar amorosidade e conexão.

E para quem quer conhecer mais da biodanza, seguem os links do Facebook e Instagram de onde eu faço.

https://m.facebook.com/Biodanza-Geraldine-Husfeld-1788713924767653/

Sou muito grata por seu comentário, é importante pra mim.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: